Terça-feira, 16/04/2019 

“CENTRO NÃO REALIZARÁ LANÇAMENTO DE MÍSSEIS”, DIZ MINISTRO SOBRE BASE DE ALCÂNTARA 

Cumprindo agenda no Maranhão, Marcos Pontes informou que o Brasil poderá usar esses componentes para fazer os próprios lançamentos, em troca vai garantir meios de proteger a tecnologia americana


Do MA 10 

O Seminário “Base de Alcântara: Próximos Passos”, realizado nesta segunda-feira (21) e promovido pelo Governo do Estado, é para discutir os próximos passos, após a assinatura do acordo entre Brasil e Estados Unidos para utilização da base de Alcântara.

O governador Flávio Dino, ressaltou que o Centro de Lançamento deve ser um vetor de desenvolvimento regional e nacional. Ele destacou a importância da exploração comercial, que beneficie especialmente, as comunidades que moram na região e reforçou que o estado está aberto ao diálogo.

Já o Ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, explicou que o acordo de salva guarda assinado entre Brasil e Estados Unidos se deu pelo fato de que 80% das peças de todos os foguetes e satélites do mundo seriam produzidas em território americano. O Brasil poderá usar esses componentes para fazer os próprios lançamentos, em troca vai garantir meios de proteger a tecnologia americana.

Marcos Pontes também disse que o centro não realizará operações bélicas, como lançamento de mísseis. Na ocasião, ele voltou a afirmar que o acordo não fere a soberania nacional e que o Brasil continua controlando todas as ações da base. Além disso, novos acordos poderão ser assinados com outros países.

O ministro também revelou que no final de semana visitou uma comunidade quilombola de Alcântara, mas não comentou sobre o diálogo.

Uma das preocupações do acordo é com a possível expansão das atividades da base de Alcântara, que pode impactar na vida das comunidades que moram na região, mas segundo o prefeito de Alcântara, Anderon Wilker (PCdoB), que esteve com o ministro no final de semana, ele teria dito que nesse momento, as atividades não precisarão de ampliação do espaço.

Veja matéria em vídeo: 

© Copyright O interligado